segunda-feira, 23 de abril de 2012

O nosso alfaiate

Pois é verdade, comprei o livro.
Comprei porque gosto das imagens, comprei porque gosto do conceito, comprei porque também gosto de guardar instantes, comprei porque acho que ele teve uma boa ideia que acabou por ser livro, comprei porque sim, comprei porque quis e porque posso e ninguém tem nada a ver com isso!
Também o comprei porque, embora não o acompanhe assiduamente, gosto de ir lá espreitar de vez em quando para me inspirar.
Tenho pouca paciência para me vestir (aviso desde já o senhor Verão que se não vier rapidamente ainda acaba com um processo às costas por causa da pneumonia que vou apanhar porque como já não aguento as saudades de andar de t-shirt, calções, e afins, vou acabar por sair um dia destes nesta figura nem que chovam canivetes!), bom, voltando à vaca fria, embora tenha roupita suficiente para vestir metade da população cá do bairro visto quase sempre o mesmo; saio cedo e tenho mau acordar; a maior parte das vezes tenho a sensação que trago vestido a primeira roupa que me atacou quando abri o armário pela manhã. A maior parte das vezes, se não olhar para mim a meio do dia nem me lembro o que vesti. Serio!
Apesar disso, e pasme-se, dizem-me que estou sempre bem; apesar de haver por aí muita gente mentirosa tenho em casa o critico-mor (o meu filho) que desde tenra idade me chama à pedra sem dó nem piedade e para além dele o marido (mas ele que é um querido acha que eu estou sempre bem; até mesmo sem ter nada vestido) e as amigas que não são da onça e me cascam como se não houvesse amanhã quando entro na fase "baldas".
Jogo com valores seguros é verdade, botas (altas, motard ou mesmo daquelas tipo tractor), Jeans, t-shirts brancas, camisas brancas e blusões ou trench coat e vez por outra um camisolão.
O problema é sair deste registo...dá muito trabalho...brincos, anéis, colares e essa tralha toda tenho aos kilos, mas nem me lembro a mais das vezes.
E foi também por isso que comprei o livro "O Alfaiate Lisboeta"; para me obrigar a mudar um bocadinho no dia-a-dia (noite e festarolas não é preciso; capricho mesmo e em bom!).
Poucochinho, não é preciso muito.
Lembrar-me de usar um lenço (que os tenho), um vestido de quando em vez (que os tenho), trocar as botas por sapatos ou sandálias (que os tenho), um colar (que os tenho), isso...enfim trazer à rua tudo o que vou comprando e depois me esqueço de usar.


4 comentários:

  1. Há aquela velha pergunta: queres que seja amiga ou verdadeira? LOL prefiro sempre a sinceridade apesar de eu vestir o que eu gosto e não o que os outros gostam!
    Desconhecia a existência do livro, acho uma boa compra!

    ResponderEliminar
  2. Ai ai o nosso alfaite... também quero comprar! E eu conheço-te e tu vestes-te lindamente! E és linda! A mim não me enganas! Mas eu dou-te na cabeça!Podes ter a certeza! :)

    ResponderEliminar
  3. Até te posso emprestar...mas acho que vais gostar de o ter e guardar.
    Conto contigo para me dares SEMPRE na cabeça e me pores no BOOOOOOM caminho!

    ResponderEliminar