segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Esta gente confunde-me...baralha-me...


Então quando for ao dentista também posso pedir que me faça uma consulta de ginecologia?
E no otorrino poderão fazer-me um exame aos olhos?


quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Resoluções de passagem de ano

Sei que na altura do fim-de-ano há pessoas que fazem listas imensas de resoluções de quem vão passar a ser, o que vão fazer, como vão passar a fazer a partir do ano que começa; as mais comuns devem ser mesmo "deixar de fumar", "fazer mais exercício", começar uma dieta...eu não faço; e a fazer acho que deveria ser qualquer coisa como "vou passar a beber mais água",  porque como nunca tenho sede é coisa que raramente faço.

No final do passado 2015 dei por mim a pensar também (pelo menos uma vez na vida), "à e tal, já não vais para nova e até te metias era num ginásio que isto com a idade vai emperrando e não te matava fazer um bocadinho de exercício...

Não o fiz.

Mas depois tenho muitos dias como o de hoje em que faço coisas assim;  sózinha (SÓZINHA) alanquei com um ar condicionado portátil de 40kg (mais a embalagem) às costas (e de frente, e de lado, e por baixo, e por cima, que aquela merda não tinha jeito de se lhe agarrar) degrau a degrau até ao 5º andar (prédios antigos sem elevador) para o entregar em casa de uma velhinha que morria de calor.

A alma está benzinho e o coração também mas doem-me músculos que nem sabia que tinha...

Até à próxima passagem de ano (altura em que as dores musculares devem começar a aliviar) não volto a pensar em exercício!

Ouvido de passagem...

Ainda que não consiga perceber porque raio me acontece TODOS OS ANOS ter que em Agosto enfrentar salas de espera de organismos públicos (se não são as finanças é a loja do cidadão, se não é a loja do cidadão é um hospital - God forbid! - ...) pelo menos sempre apanho uma pérola aqui e ali.

Neste caso especifico falavam duas pessoas um pai e o profissional (não médico) acerca do problema do filho; um "jovem adulto" de 48 anos e absolutamente irresponsável.

Enquanto o pai desfiava um rol de aventuras e, sobretudo, desventuras acerca do filho que ele, já entrado nos 80, tinha de suportar e resolver diz-lhe o profissional que tinha acudido à situação (não médico):

- Caramba homem! O seu filho é mesmo ACHATADO em corno de cabra!