quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

E se te fosses quilhar (ou mesmo foder)?

Estava ontem aqui uma pessoa posta, finalmente, em sossego quando recebe uma mensagem privada no facecoiso do blog:

Pois então diz que a Maria Manuela Garcia se agoniou com a imagem do "Homem do Saco" e vai de me enviar mensagens (3) onde se pronuncia acerca da imagem que diz ser e passo a citar "irritante, de mau gosto…" e - esta é maravilhosa "…um pudor à moral"!

Confesso que o post, já antigo, antigo, não foi dos mais felizes em termos de imagem; durante muito tempo tive a foto guardada e achava-a boçal mas um dia apeteceu-me, e já se sabe que eu só faço o que me apetece, e publiquei-a!

Até hoje foi a fotografia mais partilhada, mais comentada, mais gostada e que mais gente trouxe à página.
Na primeira semana foi ver o número de likes na página a aumentar aos 200/300 por dia e desde então que os números crescem (muito) bem todas as semanas.

Mas voltando a esta Maria Manuela Garcia que me contactou, como não lhe respondi e não lhe atendi o pedido (ao contrário de muitos outros que já aqui me foram feitos e que por julgar pertinentes atendi) apelou para o Facebook que, cada vez mais cego à realidade, lhe atendeu o pedido e me apagou o post e bloqueou a página durante toda a manhã, convidando-me a ler "Os Padrões da Comunidade Facebook" e a rever todas as imagens da minha página não fosse dar-se o caso de haver outra que atentasse também não sei bem se os padrões do facebook ou os da Maria Manuela Garcia!


E perguntam vocês, quem é esta Maria Manuela Garcia que assim atenta contra a MINHA LIBERDADE DE EXPRESSÃO?
Pois a Maria Manuela Garcia é esta senhora, aparentemente pregadora de profissão e a quem nunca ninguém me ouviu mandar pregar para outra parte!
Senhora Maria Manuela Garcia, dedique-se lá a ter pensamentos de paz como apregoa e a envangelizar quem lho deixe fazer, tome conta da sua casa e deixe a casa dos outros em paz!

Je suis O Sexo e a Idade!




terça-feira, 27 de janeiro de 2015

27 de Janeiro; hoje pus batom vermelho! (repost)

Raramente uso maquilhagem e de toda a maquilhagem o batom é aquilo que, mesmo nas raras ocasiões em que me maquilho, nunca ponho; embirro com aquilo nos lábios e embirro com os cabelos que, por serem compridos e normalmente estarem soltos, com o vento teimam em esvoaçar, e colar-se-lhes.
Hoje pintei os lábios, e pintei-os para homenagear e não esquecer a data que hoje se assinala, a libertação do campo de concentração de Auschwitz.
E…porquê o batom? Que forma tão estranha de  assinalar uma data!
Pintei os lábios porque me lembrei de uma história que eu não sabia, e o meu filho me deu a conhecer há uns tempos atrás, e que aconteceu em Bergen-Belsen (libertado só a 15 de Abril de 1945).

“Sou incapaz de uma descrição apropriada do circo de horrores em que meus homens e eu haveríamos de passar o mês seguinte da nossa vida. O lugar é um deserto inóspito, desprotegido como um galinheiro. 

Há cadáveres espalhados por todo lado, alguns em pilhas enormes.  Levei algum tempo para me acostumar a ver homens, mulheres e crianças tombarem ao passar por eles. Sabia-se que 500 deles morreriam por dia antes que alguma coisa que estivesse ao nosso alcance fazer causasse algum impacto. 
Não era fácil ver uma criança morrer sufocada pela difteria quando se sabia que uma traqueostomia e alguns cuidados a teriam salvado. Viam-se mulheres afogadas no próprio vômito porque estavam fracas demais para se virar de lado. Homens comendo vermes agarrados a meio pedaço de pão pelo simples fato de que precisavam comer vermes se quisessem sobreviver. E porque depois de algum tempo, eram incapazes de distinguir uma coisa da outra. (…) 
Pouco depois da chegada da Cruz Vermelha britânica, chegou também um grande carregamento de batom. 
Não era em absoluto o que queríamos, clamávamos por centenas de milhares de outras coisas. 
Não sei quem pediu batom, mas gostaria muito de descobrir quem fez isso. 
Foi um golpe de gênio, de habilidade pura e natural. 
Creio que nada contribuiu mais para aqueles prisioneiros de guerra que o batom. 
A mulheres se deitaram nas camas sem lençóis e sem camisolas, mas com os lábios escarlates. 
Podia-se vê-las perambulando por todo lado sem nada, a não ser um cobertor em cima dos ombros, mas com os lábios bem vermelhos. 
Vi uma mulher morta em cima da mesa de autópsia, cujos dedos ainda agarravam um pedaço de batom. 
Enfim alguém fizera algo para torná-las humanas de novo. 
Eram gente, não mais um simples número tatuado no braço. 
O batom começou a lhes devolver a humanidade, porque, às vezes, a diferença entre o céu e o inferno pode ser um pouco de batom.”

Extraído do livro DEUS E SEXO, de Rob Bell, Editora Vida, 2010

Colaboração de Wilma Santiago

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Visto de passagem #189

E há pouquinho recebi esta foto da Margarida e não resisto a inclui-la no nosso Visto de Passagem.
Muito obrigada Margarida, é maravilhoso!
(só se esqueceu de me dizer onde foi que fez esta fotografia)

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Tristeza do ca…torze!


Há no Chiado uma loja linda, linda, com produtos maravilhosos (quando lá entrarem não mais vão querer sair, acreditem) que por acaso é de um amigo meu.
Este meu amigo é holandês e já faz uns anos que trocou o kibeling pela nossa sardinha assada. 
Adiante, esta loja maravilhosa chama-se Skinlife (e aviso já que não me pagam um tusto para aqui falar dela e na verdade até preferia não ter de falar) e tal como o próprio nome indica, todos os produtos na loja estão orientados para a pele; creme disto, creme daquilo, creme daqueloutro, e tanto creme bom aquela loja tem, e tão boa onda os donos da loja têm que resolveram colocar do lado de fora da loja, dois dispensadores para que quem passasse pudesse, gratuitamente e sem ter de entrar na loja (e por isso sentir-se comprometido a comprar) experimentar alguns cremes. 
Tristemente, vi agora no facebook, nem 10 horas ali duraram, …

Alguém os arrancou da parede e os levou, privando quem passa de um gesto simpático, desapontando o meu amigo e envergonhando-nos um pouco a todos.
(eu pelo menos senti-me envergonhada)

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Visto de passagem #188


Se alguém me puder fazer a fineza de explicar o que fazia esta criatura, assim vestida, mal passava das oito e meia da manhã, frente à estação do Rossio ficarei muit' agradecida.

domingo, 18 de janeiro de 2015

Desafio: Foi em 2014 que...


O artista Andrew Rae criou uma ilustração onde aglomerou 20 momentos, histórias, acontecimentos, ou memes que de alguma forma foram marcantes ou se tornaram virais  em 2014
A ilustração faz referência a diferentes momentos como por exemplo, o ice bucket challenge, o escândalo das fotografias das celebridades (as nuvens/clouds rachadas), etc.

E eu lanço-vos os desafio, que outros momentos conseguem identificar?

Eu gostava muito que deixassem a vossa resposta aqui na nossa caixa de comentários mas se preferirem, podem deixá-las no original.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

A visita


Ia eu no meu pópó, a caminho dos meus afazeres, quando no rádio se me pôs a tocar uma música que para além de me fazer aflorar um lálálá à boca, afivelou-me um sorriso bem disposto na cara, pôs-me a dar palmadinhas no volante e até o pézinho no pedal ganhou vida própria (ai Jesus!) e se pôs a bater a compasso!

Não conhecendo tal música e não tendo no carro um sistema rádio tão avançado que no display me apareça o nome da musiqueta, saquei do telemóvel e pus-me a gravar a coisa, enquanto anotava mentalmente a hora e a estação em que passava tal prodigio, para poder procurá-la mais tarde na net.

Vim então até casa em modo repeat ao som roufenho da gravação do telemovel, de sorriso na fronha, às palmadinhas no volante, pézinho batucante no pedal e lálálá na boca.

Já descobri o nome da música, a banda que a toca e o clip.

Isto já foi há uns dias; continuo doida com a música e a ouvi-la em loop (passei a ouvi-la com os auscultadores colocados porque também estava a pôr a familia doida mas não da mesma maneira que eu) mas tenho mixed feelings com o videoclip…é bonito…é bem humorado…mas não sei…

Bom, se quiserem tirar as vossas próprias conclusões carreguem na foto aí acima para ouvirem os Silva, cantar "A Visita"; acho que vale bem a pena.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Visto de passagem #187


Quem é que já não tinha saudades de uma pérola destas?

Repost; sempre a pensar no vosso bem

Este é um repost de Maio de 2012!
Porque nessa altura ainda não havia tanta gente a passar por aqui e porque, diga-se lá o que se disser, a crise ainda não era tão má, agora mais do que nunca faz sentido republicar este post!
Vejam lá se gostam.

"Lá porque nem todas as bolsas podem chegar a uma Birkin não quer dizer que não possam ter uma Hermès original.
Depois de ter publicado, primeiro os lenços e depois as carteiras da Hermès, percebi que havia neste blog gente sensível à marca; vai daí peguei no telefone e vai de falar com o pessoal em Paris.
Não precisei de me esforçar muito porque eles já sabiam que aqui o país estava em crise e que o pessoal estava sem subsídios e com cortes, por isso, e a pensar em nós gente querida, criaram as clutches Hermès gratuitas!!!
COMÉQUIÉ?
Pois é!
É só fazer download, imprimir, cortar e colar
São clássicas, de papel, e podem escolher de entre oito temas diferentes.
O nome é Jigé Clasp e são bem bonitas!"