sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Pedido de Ajuda a Todos!

Há 25 anos atrás vi uma reportagem num telejornal e descobri aí que os lobos bons eram afinal mais do que os lobos maus.
Vi um senhor inglês, com uns olhos de que não me esqueci até hoje, contar como tinha recolhido e salvo lobos feridos e maltratados (tanto por armadilhas como por paus, pedras e facas).
Vi-os a brincar com os repórteres e curiosos com as cameras, dentro de casa e no pequeno terreno que ladeava a casa do inglês de olhos doces.
Enquanto mostrava os lobos explicava que já não tinha mais espaço e que era dificil alimentar aquela gente toda; dizia que as pessoas da região sabendo que ele os acolhia, quando encontravam um ferido lho levavam para que ele os tratasse.
Dizia que não tinha mais meios para continuar...
Não fixei o nome, nem o canal onde passava a reportagem (e por isso hoje não a consegui recuperar no youtube), mas fixei-lhe os olhos.
E quis o destino que 3 dias depois, quando chegava de mais um vôo, na rampa de saída estivesse um senhor de olhos doces; o dono dos olhos que eu tinha visto com os lobos.
Abordei-o, apresentei-me e perguntei-lhe se podia ajudar; que sim, que agradecia.
Ofereci-lhe a única ajuda de que dispunha: os meus contactos.
Sendo modelo e manequim (ah poisé, bebé!)  eu colaborava nalguns programas de TV e falei com realizadores, apresentadores, produtores; contei-lhes o que se passava e disse-lhes que precisava de ajuda para divulgar o esforço e angariar ajuda.
Na linha da frente veio o Julio Isidro de imediato dizer-me que sim.
Vieram os lobos ao programa da tarde, entrevistou-se o senhor de olhos doces e de repente deu-se inicio a um movimento.
Doaram terrenos, doaram alimentos, medicamentos e depois (porque a vida me levou noutra direcção, se calhar porque eu já tinha cumprido a minha parte na missão) nunca soube como, aconteceu o Grupo Lobo.
25 anos depois dou-me conta de que a semente que o inglês de olhos doces lançou corre o risco de ser arrancada.
Provavelmente ele já nem irá saber (já era velhote, se calhar já morreu), mas eu estou cá e sei.
E não quero!
Por isso vos peço ajuda.
Há um movimento em curso e é preciso divulgá-lo.
Em todas as redes sociais, de boca em boca, internacionalmente (sim, sei que tenho muita gente que me lê pelo mundo, obrigada por isso), por todos os meios é preciso divulgar.
O meu filho sabe, conhece e gosta dos lobos; e os vossos? E aqueles que ainda não nasceram? Compete-nos a nós preservar o que quase já está extinto para as gerações vindouras.
O tempo já é pouco para salvar o que já parece perdido.
Nos links abaixo deixarei toda a informação; levem o que quiserem, partilhem o que quiserem, façam vocês a noticia; não importa como, é preciso é divulgar, partilhar a informação.
Desde já vos agradeço do fundo do coração.
Vejam aqui, aqui e aqui!

17 comentários:

  1. Já sabia, há umas semanas, disto. Não sei como o proprietário dos terrenos teve coragem de fazer um ultimato (foi o que li no jornal). Dinheiro, infelizmente, não tenho. Já partilhei e vou continuar a fazê-lo. Desde pequena, tenho imenso respeito por todas as formas de vida. Sou, praticamente, vegan (há quase 1 década). Mas se houver mais alguma coisa que possa fazer para ajudar, farei com todo o gosto. Parte-me o coração pensar que esses bichinhos podem ficar desalojados. :(

    Gostei muito do teu texto. Obrigada por não te esqueceres e fazeres questão de nos relembrar. :)

    ResponderEliminar
  2. Tu és grande Dorothy! Vou tentar fazer uma coisa de jeito para divulgar.

    ResponderEliminar
  3. *só agora vi este post. acabei agora mesmo de publicar quer no blog quer no facebook. espero que o pedido seja "ouvido" e que mais gente faça o mesmo.

    *obrigada por nos informares! beijinho

    ResponderEliminar
  4. Desculpa só ter visto agora, vou divulgar sem dúvida :) *

    ResponderEliminar
  5. Excelente iniciativa :) Já partilhei no blog e no Facebook. Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  6. Vou partilhar e ver no que posso ajudar. Bjs

    ResponderEliminar
  7. Partilhado no facebook mas para a semana falamos, ok?

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar