quinta-feira, 27 de setembro de 2012

FAQ´S

Então bora lá responder às perguntas que me têm sido feitas mais frequentemente:

Estás aí de ferias? Já aí vou ter contigo.
A Arábia Saudita não tem turismo, logo não tem e não passa vistos turisticos.
Para aqui vir há que ter uma carta convite (carta de chamada) de uma empresa para trabalhar (homens) ou ser filha/mãe/mulher de algum homem que aqui esteja.

Porquê os testes médicos?
Bom, os testes médicos são uma obrigatoriedade para se conseguir o iqama (cartão de residente) que permitirá entradas e saídas do país com maior frequência (mesmo ainda em Lisboa foi preciso fazer exames médicos para me ser atribuido o visto para entrar no país).

E pode vestir-se bikini?
Na Arábia Saudita o uso de bikini ou fato de banho está interdito.
Existem dois tipos de praia; as de familia e as de homens.
As de familia só os casais e as crianças podem frequentar (sendo que o homem e as crianças do sexo masculino se banham e as mulheres e as meninas ficam vestidinhas à sombra- elas também o que querem é manter-se o mais branquinhas possível); as dos homens só podem ser frequentadas por estes.
Aqui dentro do compound (é o único compound com praia) a vida decorre à europeia por isso vai tudo a banhos de bikini

Domingo? Como Domingo, aqui é sexta-feira!
O calendário na Arábia Saudita não é igual ao nosso.
Nós usamos o modelo gregoriano e eles o islâmico (Hijrah)
O Hijrah é um calendário lunar, tem 12 meses (que por ser um calendário lunar não correspondem às estações do ano como as conhecemos) e 354 ou 355 dias (e este ano é o ano 1433 AH).
Na Arábia Saudita a 5ª e 6ªfeira correspondem, respectivamente, aos nossos Sábado e Domingo.

A burqa ou a abaya pode ser usada em cima da pele, só por cima da lingerie?
Não, elas devem ser usadas em cima da nossa roupa do dia-a-dia que pode ser como queiramos (uma vez que não está à vista) desde que tape até aos tornozelos. A pele não deve ficar à vista. As abayas e as burqas não devem deixar nitido o contorno do corpo e como são feitas em materiais muito finos e fluidos sendo usadas só com a lingerie notar-se-ia. Mais, as abayas e as burqas são fechadas na frente com molas e ao sentar e levantar poderiam abrir-se sem querer e isso não seria bom.

Porque é que as lojas não têm provadores e as casas de banho têm dressing room?
Para preservar a privacidade das mulheres e para não facilitar a vida aos homens, as lojas não têm provadores.
É preciso escolher, deixar o dinheiro ou o cartão como garantia e fazer aqueles kms até à casa de banho (lembram-se), para ir experimentar a roupita; depois volta-se à loja e se gostámos e ficou bem pagamos senão devolvemos a roupita e eles deveolvem-nos o cartão ou o dinheiro.

E assim de repente, parece-me que não fizeram mais perguntas!

16 comentários:

  1. Explica-me lá em que século vive a Arábia Saudita? Por momentos pensei que tivesse a ler um "Amor de Perdição" ou um conto da época dos reis, ou até do tempo dos Hobbits!

    ResponderEliminar
  2. Muitíssimo interessante. Aprendi várias coisas que não sabia!

    Obrigada, um beijinho

    ResponderEliminar
  3. mas vives ai? ou só tas de passagem?

    ResponderEliminar
  4. Querida Sexa:
    Já sabia uma ou duas dessas coisitas admiráveis da cultura deles (grande ironia aqui :D), mas foi giro ler o resto! O teu relato é factual e desapaixonado, mas diz-me: a sério que não te faz impressão toda essa repressão sobre as mulheres? De certeza que levas as coisas de ânimo leve, de contrário ser-te-ia difícil, não?
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que não é fácil Miú...mas sou eu quem está na "casa" deles e da mesma forma que quando somos convidados para casa de alguém não desfeiteamos as pessoas e não questionamos a forma como gerem a sua própria casa assim é também aqui; se eu vejo repressão? Não.
      Elas usam orgulhosamente as suas abayas e niqabs e, tal como aqui já foi referido, a identidade de cada uma delas está asseguradissima (mais iguais andamos nós aí com as Zaras e afins.
      Ao contrário de algumas cenas a que assisti já em portugal e noutros sitios nunca aqui vi nenhum homem falar mal a uma mulher e é notório o sorriso na voz e nos olhos quando conversam. Mesmo sem perceber a língua percebemos no tom baixo e cordato que existe entendimento. Não te digo que não exista repressão (as mulheres não podem conduzir ou sequer fumar em público - as sauditas) mas começam a ingressar no mercado de trabalho agora. Fora das cidades e em zonas de pobreza é que ainda se ouvem barbaridades. As coisas estão em transformação, mas lentamente.

      Eliminar
    2. Obrigada POC.
      Disse apenas a verdade :)

      Eliminar
  5. Minha doçura, realmente saber ensinar é uma arte, mas aprender vindo de ti embeleza-a ainda mais. Obrigada pelo saber que partilhas. um bem haja para ti minha modelita.

    ResponderEliminar
  6. Gostei das explicações.
    Eu não sou católica, mas não gosto de ver as pessoas a entrarem nas igrejas de calções curtos e ombros à mostra. Temos que mostrar respeito mesmo que não se concorde com as crenças, religiões e regimes. Só assim é que os outros nos respeitam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem quer respeito dá respeito!
      É isso mesmo!
      :))

      Eliminar
  7. Gostei das explicações.
    Dou um exemplo: Eu não sou católica, mas acho que é falta de respeito entrar numa igreja de calções curtos e de ombros à mostra. Mesmo que não concordemos com determinadas crenças, religiões e alguns regimes, temos que os respeitar, principalmente se estivermos "na casa deles". Só assim podemos exigir respeito dos/aos outros.

    ResponderEliminar
  8. Obrigada Mafarricas dos Santos Amén (ai o que adorei este nome ahahahahaha)

    ResponderEliminar