segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Tenho para mim

que o Inferno é na Terra.
Para mim, repito, para mim, não há nada pior do que o arrependimento, o remorso; nada me consome mais do que o arrependimento de uma palavra má que disse (ou de uma boa que não disse); um gesto que não fiz (por falta de tempo ou paciência); uma visita que não fiz (ou um Sumol que não fui beber) e que depois é tarde demais; as pazes (adoro esta palavra; lembram-se de que em miúdos diziamos isto para que ficasse tudo bem) que não fiz por embirração (e depois pode ser tarde demais); de alguém que não cuidei e amei bem em vida (de que vale depois chorar); de um carinho ou um conforto que podiam fazer toda a diferença para alguém...e por aí.
Não descanso, não sossego enquanto não corrijo a situação.
Tenho terror de atravessar os anos arrependida de algo,  a lembrar-me todos os dias do que devia ter feito e não fiz, do que devia ter dito e não disse, com os fantasmas desses momentos presos nas minhas noites, assaltando-me em pesadelos...medo!
De forma que tento ser, todos os dias, o melhor possível (calma que estou muito longe de ser um anjo ou um doce de pessoa), porque para mim, o Inferno deve de ser ter de viver com remorsos.
E a que propósito vem isto, já devem estar a perguntar.
Vem a propósito do dador do Gonçalo; o dador compatível com o Gonçalo que agora recusou fazer o transplante.
Tenho estado aqui às voltas a tentar empatizar, perceber o que terá pensado, do que terá medo, mas não consigo...não consigo!
Consigo imaginar, isso sim, é o pesadelo em que a sua vida se tornará por saber que podia ter salvo uma vida, e não o fez; mais tarde ou mais cedo, isso irá roer-lhe a consciência...até ao osso...
e isso vai ser o Inferno; o seu Inferno pessoal!

22 comentários:

  1. sou dadora... às vezes tudo está na maneira como se explicam os procedimentos... assusta, mas... caramba, salvar uma vida :)))) esperemos que ainda reconsidere, é muito provável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que sim...espero do fundo do coração que sim.
      Sou dadora também e claro que ao mesmo tempo que anseio por poder ser a salvação de alguém, morro de medo dos procedimentos, mas caramba, há coisas que valem bem a pena!

      Eliminar
    2. eu entendo... infelizmente o paciente de quem eu era compatível (uma única vez me aconteceu), não se aguentou até à operação... custou-me tanto...

      por isso falo na importância que é estar alguém do outro lado que saiba "levar o barco a bom porto", não digo que não estivesse neste caso, mas é preciso passar confiança, porque há um momento em que ficamos terrivelmente assustados, uma anestesia (depende do tipo de recolha) não é brincadeira, mas também não é nada de transcendente. salvar vidas é o principal.

      Eliminar
  2. A não haver uma razão plausível, isto não tem justificação. Caramba...não se é dador para se mostrar o cartão na carteira!!!

    ResponderEliminar
  3. Nem me fales!atè fico parva!não consigo entender estas atitudes,neste tipo de situação,ou ès dador ou não ès!
    Pode ser medo sim,mas isso pensa-se antes de se tornar dador!néao se dà esperanças e depois retiram-se!

    ResponderEliminar
  4. Tocaste no meu calcanhar, sou dadora de sangue (faço-o pelo menos 2/ 3 vezes por ano), até hoje nunca tive coragem de avançar para ser dadora de medula, porque tenho medo, já sei que me vão criticar, mas tenho medo. Quero muito perdê-lo, quero ajudar, mas até hoje ainda não fui capaz. Agora nunca seria capaz de dar um passo à frente e dois atrás, muito menos porque não se brinca com a vida de ninguém.

    Jinho

    ResponderEliminar
  5. Tal como a Suricate, eu sou dadora de sangue, mas não de medula, porque tenho ideia que é um procedimento violento. Mas se fosse, acho que não recuava, sabendo eu que era a única pessoas compatível. E se há pessoa 'medricas' com a saúde, sou eu!

    ResponderEliminar
  6. Também não encontro explicação para tal atitude, saber que é compatível, dizer que sim e depois recuar? Porquê??
    Pode ser que pense bem e vá em frente.

    ResponderEliminar
  7. Caramba! isso não é normal.

    ResponderEliminar
  8. que situação horrível. Não sabia deste caso. No entanto considero que de fato, temos de pensar bem antes de ser dador, mas consigo (eu acho que consigo) entender o que aconteceu a este dador: o medo de ser ele a partir!!!

    bwijinho. Isabel
    (Convido-te a dar uma volta no meu Carrossel e a seres uma seguidora dele, caso gostes, claro!!)

    ResponderEliminar
  9. Não consigo compreender. Não sei bem como se processam as recolhas, mas calculo que quem se disponibiliza para o fazer seja esclarecido dos procedimentos. Ser compatível deveria ser motivo de felicidade para o dador, e para quem aguarda por esse pedaço de vida, aqui parece-me angústia. Só espero que reconsidere, e acabe com o sofrimento e a espera do Gonçalo.

    ResponderEliminar
  10. Estou parvo com isto!!!

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  11. Custa-me a acreditar que alguém seja capaz de se recusar a ajudar a salvar a vida de outro, porque é que se terá inscrito se não era para ajudar?

    ResponderEliminar
  12. Tenho cá para mim que "L'enfer sont les autres" e a atitude desta pessoa só mo comprova.
    http://fashionfauxpas-mintjulep.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  13. Sem palavras. Como é que alguém é capaz de viver daqui para a frente a saber que podia ter salvo uma vida. Esta crise de valores assusta-me cada vez mais.

    ResponderEliminar
  14. Estou inscrita como dadora. Estive em vias de ser dadora. Fui chamada para fazer nova recolha de sangue e testes mais específicos. Infelizmente, não se concretizou a doação porque não se confirmou a compatibilidade. Fiquei triste, senti-me culpada por não ser compatível. Espero sinceramente que o dador do Gonçalo reconsidere.

    ResponderEliminar
  15. Penso que quem quem não tem estofo para estas coisas, não se mete nelas in the first place...

    ResponderEliminar
  16. Eu estou chocada com esta notícia!!

    ResponderEliminar
  17. Minha querida Sexinho...partes do pressuposto errado! Nem todos têm consciência...a minha consciência é a minha principal julgadora e quem dita aquilo que faço...mas há pessoas que são regidas por outras entidades que não a consciência!E por isso, o dador compatível, poderá dormir muito bem a noite toda sem problema algum! E olha que eu sei do que falo!

    ResponderEliminar
  18. Infelizmente sou obrigado a concordar com a Ovelha Flor Guerreira. E mesmo que não seja este o caso (!), existem pessoas assim, que deitam a cabeça na almofada sem problema.

    ResponderEliminar
  19. Tenho uma amiga internada no IPO há 1 mês e meio... não imagino como é q alguém sabe que pode salvar uma vida e se recusa!!!

    ResponderEliminar