quarta-feira, 24 de abril de 2013

Ai a minha cabeça!

E hoje, finalmente, fiz o gosto ao dedo, que é como quem diz aos olhos.
Andava já há 3 anos para conseguir ver a Biblioteca de Kalocsa; de cada vez que lá ia "ai que estamos em obras de restauro", "ai que agora são os jardins", "ai, que não está o senhor guia", ai que isto, ai que aquilo, e eu sem lá conseguir entrar!
Mas hoje foi o dia!
Na recepção nem uma alma fala inglês (como de resto não fala praticamente ninguém nesta terra; um bocadinho de alemão, e só alguns e já é um pau), lá me expliquei por gestos (um dedo a apontar para os olhos, as mãos a fingir que folheiam um livro, um grande sorriso) e parece que me fiz entender.
Paga lá o bilhetinho em forints e espera aqui que o guia já vem.
Vinte minutos (bem aviados) depois, lá chega um senhor muito afogueado; baixinho, redondinho, a suar em bica de cada poro que tinha, e atracado ao lenço com que limpava incansavelmente a testa fez questão de me pôr logo à vontade "no english"!
Ok, está bem, isto vai ser giro.
Com passadas incrivelmente largas para o tamanho das suas pernitas, lá demos inicio ao périplo; a cada canto, estante ou porta que passávamos ele detinha-se e fazia questão de me explicar MUITO ALTO e em húngaro, o que estávamos a ver!
Eu já tinha visto esta técnica em acção; Querida Mãezinha quando interpelada por estrangeiros para lhe pedirem orientação nas ruas, e por não falar mais do que o português, fala-lhes também muito alto, convencida que me parece estar de que os estrangeiros não a entendem, não por não falarem a mesma língua, mas porque são surdos...
E assim fomos avançando de corredor em corredor, eu cada vez mais emocionada (senhores! naquela biblioteca repousam obras valiosissimas; tratados únicos no Mundo; leis, astronomia, medicina... aquelas páginas viram já centenas e centenas de anos, e de pessoas...e reduzem-me à insignificancia do que sou; apenas mais uma pessoa que viverá e morrerá enquanto elas se manterão cheias de palavras vivas! É avassalador!) e ele cada vez mais entusiasmado ao ver a minha comoção, aumentava o tom de voz proporcionalmente ao valor da obra que estávamos a ver!
E enquanto isto agitava muito os bracinhos redondos, suava cada vez mais e gritava, gritava...e eu tentava a cada livro ler o nome do autor, traduzir do latim (sei lá eu latim) o nome da obra e quando o conseguia, sentia-me como as damas antigas que espremidas nos seus espartilhos, não logravam respirar e feneciam...
O húngaro estava louco! Agitadissimo! Movia-se por entre as estantes, quase saltitando, rebolando os olhos nas órbitas redondinhas, apontando e gritando o nome (penso eu) do que estávamos a ver e repetindo uma e outra e outra vez, assentindo com a cabeça, para se assegurar que eu compreendia (nada) o que me dizia.
Quando foi interrompido por duas anafadas senhoras que se queriam juntar a nós, olhou-as com ar assassino (juro que sim), baixou a voz e sibilou-lhes qualquer coisa rispida que as deixou com ar chocado (não sei o que foi que lhes disse) e fez-lhes gestos para se afastarem, com as mãos.
Entusiasmado o húngaro, com as emoções que eu não conseguia esconder, tomou-se de brios, baixou a voz e num sussurro, com uma piscadela de olho malandra, convidou-me a entrar numa câmara pequenina, chamando-me com a mão...estava escuro, muito escuro e ele acendeu uma luzinha e eu pude ver; dentro de um armário com luz, temperatura e humidade regulada estava a piéce de résistance de toda a biblioteca!
Um codice (como é que se traduz isto) muito antigo! Século VI li eu...ele abriu o armário, tirou o livro como quem pega numa borboleta e...passou-mo para a mão!
Uma vergonha senhores!
Arfei de comoção e as lágrimas tomaram-me os olhos de assalto (o primeiro a gozar leva uma chapada porque eu estava mesmo esmagada sob o peso do que me era permitido tocar), tive medo de molhar as páginas e devolvi-lho de imediato.
Saí soluçando de emoção e levei um bom tempo a recompôr-me.
Uma vergonha senhores, uma vergonha...
P.S- ainda lhe oiço a voz a ressoar dentro da minha cabeça...



5 comentários:

  1. Ora ai está um sitio que eu amava conhecer!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. AI o que eu me ri com o inicio desta aventura, eheheh. Mas compreendo a emoção acho que tb eu choraria baba e ranho, acredita!!! Sabe-se lá se o meu Vlad não terá posto as mãos nesse livro...
    http://fashionfauxpas-mintjulep.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Ai Sexo, esse lugar é meio assustador. ahahah

    ResponderEliminar
  4. Como alguem que estudou historia e historia da arte: entendo-te bem!!

    ResponderEliminar