quinta-feira, 16 de maio de 2013

Uma imagem

pode ter efectivamente o condão de nos transportar no tempo!
Acabei de entrar numa drogaria e encontrar o que se vê na foto abaixo.
Para quem não sabe, trata-se de um lápis que os senhores aplicavam nas feridas que faziam quando se cortavam ao fazer a barba.
Mais do que nas drogarias estes lápis vendiam-se nas feiras, nomeadamente na Feira da Ladra.
Todas as terças e sábados lá andava um senhor com um tabuleiro pendurado ao pescoço, com um microfone e uma mala de viagem em cartão, a apregoar as maravilhas produzidas por tal lápis.
Um lápis, dizia ele, que continha a fórmula usada pelos faraós no Egipto, que tinha curado o próprio Júlio César, um lápis tão maravilhoso que nem os astronautas saiam para o espaço sem ele...
À sua volta reunia-se uma multidão para ver tamanho prodigio; pelo meio da lenga-lenga ele prometia ainda mostrar víboras, pítons, jiboias... e eu, miúda, ali ficava meia aparvalhada agarrada à mão da minha mãe, a meio caminho do mercado (não a deixando arredar pé dali), especada, expectante...à espera dos bichos que nunca mais saiam da mala de viagem (onde eu os imaginava  guardados)... e embora ele de lá não tirasse mais do que uma pele de jiboia amarela, ressequida pelo tempo, o povo lançava-se na sua direcção e comprava, comprava...
Claro está, que quando me começaram a perguntar o que queria ser quando fosse grande, para grande vergonha dos meus pais, eu respondia que queria era vender lápis para a barba na Feira da Ladra...

17 comentários:

  1. isso é que vinha a calhar. com a crise não mudo de lâmina da barba há 6 meses e quando a acabo de fazer, até jesus cristo tem pena de mim

    ResponderEliminar
  2. É verdade! Eu lembro-me de o meu pai usar disto para estancar os cortes ao fazer a barba. Há SÉCULOS que não via tal coisa! :)

    ResponderEliminar
  3. Agora os cremes substituem esses lápis :)

    ahahahahah...vendedora de lápis!! :)

    ResponderEliminar
  4. Pois eu não conhecia...mas gostei de ficar a conhecer.
    Obrigada
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. São lápis hemostáticos, mas devem ser pedras ume, que era o que se usava nas baarbearias :)

    ResponderEliminar
  6. Fizeste-me lembrar do meu pai Sexinho. O meu pai utilizava esses lápis e até ao final da vida fazia a barba à moda antiga com um pincel para fazer e espalhar a espuma. O que eu adorava ver o meu pai a fazer a barba e dar-lhe miminhos depois. A minha mãe guardou tudo, até o último lápis já quase no fim. Que Saudades.

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. Sempre que venho cá aprendo coisas novas ;)
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  10. Eu acho que o meu pai ainda compra esses lápis, tenho ideia de os te visto lá em casa recentemente.

    ResponderEliminar
  11. Não conhecia tal pérola...
    http://fashionfauxpas-mintjulep.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Eu guardo o último lápis hemostático que o meu pai usou... (não tens culpa mas fizeste-me chorar...)

    ResponderEliminar
  13. Enquanto vivi com o meu pai sempre o vi fazer a barba com pincel, no fim usava sempre esse lápis...recordaste-me agora o tempo em que o meu pai ainda era meu pai e eu ficava embevecida sentada no chão da casa de banho a olhar para ele, no fim pedia-lhe sempre para me deixar fazer funguinhas e cheirava-lhe o rosto e o pescoço....

    jinhossss

    ResponderEliminar
  14. Todos os ofícios sao dignos. Mas este tem pouco futuro...

    ResponderEliminar