quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Ouvido de passagem

Ouvido com estes dois que a terra há-de comer no aeroporto, no balcão da TAP.
A emigrante francesa: o meu marido "ratou" o avião, como é que ele faz agora para "prender" outro?

10 comentários:

  1. Ahahahahah...resmas...resmas de histórias destas, que nós temos certo, amiga?!

    ResponderEliminar
  2. Ou " cóme se diz pã ó lé em português, porque me está a apetecer e não sê pedir ?"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahah

      Eliminar
  3. hahaha, acontece tantas vezes.

    ResponderEliminar
  4. Tinha uma tia que pedia sempre uma "botelha de vin" nos restaurantes.

    ResponderEliminar
  5. Jazus, será que daqui a uns anos vou ficar assim? :)

    ResponderEliminar
  6. Já tive uma situação oposta. Há muitos anos, num hotel em Paris, ao pequeno-almoço, duas senhoras portuguesas, bem postas mas sem conhecimentos da língua francesa... A menina trouxe o cestinho com pão e croissants e etc e tal e depois perguntou "Et pour boire?" Uma disse "Café" e safou-se. Outra disse "Chá"... :-) Agora imagina a cara da menina!!! Lá fui eu em auxilio da senhora, em pânico, já a imaginar um gato dentro de uma chávena! :-)

    ResponderEliminar
  7. Tive de conviver à força com uma série de luso-descendentes, na casa dos 20 anos, numa breve experiência profissional que tive, nas torres do Colombo, em Lisboa. Regra geral, eram filhos de emigrantes. Mas nem todos voltaram ou passaram a viver em Portugal devido aos pais deles terem regressado á terrinha. Alguns deles estavam cá por vontade própria, deixando os pais lá.

    O facto é que, agora vivendo e trabalhando cá em Lisboa, faziam questão - até alarde, quiçá - de realçar a sua "diferença". Falando um patuá - podia dizer-se até um crioulo - a que se poderia apelidar de frantuguês.

    Uma das expressões que mais lhes ouvia era... tu te futas da minha gola! ;-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahah
      Verdadeiramente um patuá (há quanto tempo não ouvia ou lia esta palavra)

      Eliminar