segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Poesia

E há momentos assim, perfeitos.

(Enquanto o carro corria marginal fora e um paquete saía a barra, o crepúsculo pintava o céu de rosa.
Eu aparvalhada com tanta beleza só consegui sacar do meu fiel telemóvel para tentar registar o momento. Uma verdadeira aguarela. Sem qualquer tipo de filtros - e mesmo desfocada)

8 comentários:

  1. Lisboa, certo? É raro não me espantar com a luz, com os resquícios do Império, com qualquer coisa de sobrenatural.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certissimo.
      É isso mesmo "qualquer coisa de sobrenatural"!
      Obrigada Imperatriz Sissi. :)

      Eliminar
  2. Esse telemóvel não é por acaso, da marca Pablo Picasso ?

    ResponderEliminar
  3. Basta estarmos atentos...
    E o mais simples torna-se no mais belo :)

    ResponderEliminar
  4. Não há dois pores do sol iguais na nossa terra. Admiro sempre o último, como se fosse o primeiro. É isso que faz Lisboa única :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E também por isso a amo tanto!
      Lizóptima!

      Eliminar